2.9.05

desporto

Lá em casa é uma coisa levada muito a sério, pelo pai. Quando falo de desporto claro que falo de futebol, tudo o resto vem por acréscimo. Ele pratica-o, ele vê-o na televisão (Canal Memória se for preciso), ele comenta-o sozinho, comigo (o que é quase o mesmo que o fazer sozinho), com os amigos e isto aplica-se mesmo que eles não estejam presentes, ou seja, telefona-lhes para comentar jogadas, decisões, técnicas, falhanços e outras situações que tal. Há outros como ele mas, talvez, mais discretos. Mas eles também lhe telefonam. Quando há jogos na televisão e o telefone toca já sei que é o FFS ou o V. Todos os dias (ou quase), à noite, quando ligo a televisão está na SportTV. Se lhe peço para mudar de canal ele põe na Eurosport.

O pai é do Sporting e não vou aqui dizer o que ele pensa dos outros clubes, não adianta, ele é um pouco exagerado nessa matéria. Não, ele não anda com camisolas de futebol na rua. Quem faz isso são os do ... (eu disse que não ia entrar nessa matéria). Não, ele nunca subiu para cima do Marquês do Pombal. Não, ele não vai ao estrangeiro nem mesmo a outros pontos do país só para ver o clube jogar.

Como praticante tem a mesma intensidade. Gosta de jogar, de correr, da emoção de marcar golos e, claro, de ganhar (mesmo a feijões, ele gosta de ganhar, está na sua natureza). Foi de futebol que falou numa entrevista de trabalho que lhe abriu portas para uma boa carreira e para uma amizade que se mantém ao longo de vários anos; foi o jornal desportivo que o manteve calmo e entretido enquanto esperava o fim da cesariana. O futebol, tem-lhe valido boas amizades mas também chatices, sim, porque nem sempre consegue virar-se para o lado que dorme melhor. É no futebol que se imagina a passar bons momentos com o filho e faz planos para "quando ele poder ir comigo...". Já o inscreveu como sócio e já tentou comprar-lhe o equipamento completo, mesmo só havendo o tamanho 3(anos), mas era o do Centenário (não, não comprou porque eu não deixei)

E é de família. Sim, também o pai do pai é assim. Sim, também a mãe se deixou apanhar por esta teia. Também o Padrinho J. um respeitável sacerdote que se escapa para ver os jogos do Sporting. E os primos, cada um à sua escala de envolvimento mas todos do Sporting.

E eu, claro, não consigo ficar alheia a este mundo. Hoje dei por mim a telefonar-lhe para comentar a história do apito dourado e daquele dirigente que também está metido nesta caldeirada. Dou por mim a torcer para que ganhem só para ele não ficar chateado. Dou por mim a imaginar o que ele irá sentir se o filho não gostar de futebol, ou gostar mais de outro clube (o que sinceramente não acredito que vá acontecer). Dou por mim a comentar jogadas, falhanços... Dou por mim a saber o nome de jogadores, treinadores - novos e antigos. Dou por mim a comentar contratações e o fim delas. Dou por mim a ir a casa buscar o equipamento que ele se esqueceu e dou por mim a não ficar chateada com isso. Ainda não vejo futebol por iniciativa própria, nem tão pouco leio o jornal desportivo... espero não chegar aí!

Um beijo grande pai!

5 comentários:

Anónimo disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.
carla disse...

eheheheheh, as coisas que nós fazemos por amor!!!!!

Beijos
Carla

scaf disse...

hihi, ai se lhe acontece como um caso que conheço, que o filho ficou adepto do Benfica só para chatear :)

Anónimo disse...

Como eu te compreendo!! Eu sou mesmo a mulher do V. e sei bem do que falas.
Mas, acho mesmo que já nos rendemos!!
Bjs,
Carla

AnaBond disse...

ehehehe o que não fazemos nós.
felizmente o meu não chega a esse ponto, ihihihih

Blog Archive