2.12.16

Atchim...

Está adoentada, constipada, qualquer coisa assim, porque, felizmente, é uma miúda saudável e não sabemos, nem queremos saber, o que é ter filhos doentes! Vai tendo umas febres, mas não perde a facilidade do sorriso como perde o apetite. Hoje, quando sai de casa lá a deixei enroscada na nossa cama com o pai. Ficou nos mimos da avó. Até parece que já lhe sabem bem os dias de mimo e de vontadinhas, é o que é!!

28.11.16

Daqui a nada fazes 1 ano!

Entraste de supetão na nossa vida. Primeiro foste uma intuição da mãe e depois uma certeza partilhada com o pai. Foste um medo, foste um susto, foste uma alegria! Por tua causa não fomos à festa de final de ano, festa de “finalistas”, do Duarte, coitado, estava tão entusiasmado e acabou por ter de ficar contente com a presença dos avós e dos manos! Por tua causa mudámos ritmos, mudámos agendas, mudamos presenças, mudámos espaços e lugares, mudámos, pronto, mudámos! Mudámos o nosso coração de modo a arranjar espaço para ti e a verdade é que tomaste o teu espaço e fizeste a tua casa na nossa vida e hoje és nossa como nós somos teus. E hoje o mundo é mais rico porque tem em ti uma nova esperança, uma nova oportunidade. Hoje o mundo está mais rico porque tudo em ti é novo, porque nos renovaste e nos fizestes melhores a partir do teu olhar de bebé que explora o mundo. Sê bem-vinda Maria Rita. O mundo é teu vive-o, brinca-o, renova-o. Tu és hoje a nossa nova oportunidade de “Um Mundo Novo”.

Daqui a nada fazes 1 ano. Mais do que a vontade de escrever, veio-me a urgência de te deixar escrita. Há tantas coisas que a nossa memória deita fora de forma traiçoeira. Nos últimos dias voltei a visitar o blog que comecei a escrever quando o Bernardo nasceu. É bom, bom de mais, ver-vos ali descritos e imagino como será bom um dia quando cada um de vocês se ler, ler os irmãos, ler a mãe e o pai. Se calhar, espero que sim, vão conhecer-se melhor e conhecer melhor a nossa família. Assim o espero e, por isso, para que também tu, Maria Rita, tenhas o teu momento aqui, nestas linhas, neste blog, volto a escreve-lo.

Daqui a nada fazes 1 ano. Já fazes tanta coisa, tanta gracinha, tanta brincadeira. És já tão nossa que nem sei por onde começar. Foste desde sempre a nossa “bebé paz”. Ainda que nos tenha custado, pai e mãe, horrores voltar a ter um recém-nascido em casa a verdade é que tu foste o bebé ideal. Um choro fácil de acalmar com a maminha da mãe que tão bem aproveitaste (nota: mama exclusiva até aos 6 meses e depois com a alimentação até aos 8 meses). No porta-bebés andavas tranquila e fizemos a nossa vida familiar sem sobressaltos, ou com os sobressaltos já esperados. Entre o futsal dos manos e as suas outras atividades, e o MBA do pai, lá fomos planeando horários, estudando idas e vindas e tudo correu bem. Sempre aconchegadinha, que a menina não gosta de apanhar frio. Mas, uma peste no carro. Que raio de choradeira pregavas tu no carro! Lá ia a família toda a cantar “eu tenho um amigo/ que anda sempre comigo…”. Não houve cólicas nem não houve febres, lá está, uma bebé tranquila…

Fizemos imensa praia e foi precisamente, na praia, em Carcavelos, que aprendeste a sentar. Tinhas 6 meses. Chegávamos cedo, tomavas uma banhoca “chap-chap” dormias uma soneca e regressávamos a casa. Enquanto isso os manos brincavam, nadavam e comiam bolas de Berlim, toma! Fizemos esta rica vida durante quase dois meses. Foi um verão muito bom e muito desfrutado não apenas na praia, mas, como não podia deixar de ser, na aldeia, nas Avelãs de Ambom, e também fizeste a tua primeira viagem de avião, rumo aos Açores.

Ainda antes foste batizada. Foi no dia de aniversário do “mano velho” e ele ficou tão contente. Os tios Carla e Valter tão orgulhosos do seu novo papel de padrinhos da nossa menina! A família vestiu-se de festa e tu nasceste de novo na fé que nos une e que dá sentido aos nossos dias.
Com dois dentes já de fora, que aqui sim, nos valeram umas belas noites sem dormir, foste tu para a escolinha. Tinhas quase 8 meses. Foi um misto de emoções regressar ao Pombal. Deste-te muito bem com as “tias” e ficaste logo em casa ao fim da primeira semana. O pai, que também gozou de 3 meses extra de licença, saboreou-te até ao tutano. E aos poucos e poucos a nossa vida lá vai entrando novamente nos eixos, seja lá isso o que for.

A partir de hoje procurarei registar os dias e os episódios, de modo a que um dia todos possamos rir e chorar com o que fomos e com o que fizemos dos nossos dias!

3.10.14

ainda no pré-pré adolescência

Coisas esquisitas e não necessariamente más:

Ter um filho do meu tamanho
Ter um filho que calça mais do que eu
Ter um filho que me telefona a dizer: "já cheguei!"
Ter um filho que comenta notícias
Ter um filho a quem pedimos: "vai ali ajudar o teu irmaõ a tomar banho"
Ter um filho a quem pedimos: "desliga aí a panela que está no fogão!"
Ter um filho que vai a jantares de aniversário de amigos (foi só um, sim, mas o pior é começar)
...

(e por aí adiante)

2.10.14

pré-pré adolescência

Top frases:

"Vocês não me dão liberdade nenhuma!"
"Porque é que tenho de fazer tudo o que vocês querem?!!"
"Não mexas na minha mochila"
...

pelo sim, pelo não estou a enriquecer a minha biblioteca na secção "adolescência"


17.9.14

Irmãos: uma escola para a vida

"Pareces mesmo um totó com essas calças!"

Ter irmãos é meio caminho andado para sobreviver ao bullying?
Estou cada vez mais convencida de que sim!

2.9.14

mãe e eu, onde estou?!

Os dois, sozinhos em casa. Dou com ele no armário das fotografias a espalhar imagens pela sala. sentados os dois, no chão, identificamos caras e eu vou contado as histórias que algumas delas guardam. Até que a pergunta tuinha de aparecer: e eu, mãe, onde estou?!

Regresso aqui, hoje, num exercicio que me imponho de, pelo menos, por palavas e de forma digital ir guardando dele as melhores histórias, os melhores momentos mas também, como sempre, ainda que nem sempre com a mesma facilidade, guardar também, os dias chatos, os momentos maus e as birras feias como a que fez ontem à noite quando decicidou que não queria comer a sopa, tipico!

Blog Archive